A Bela e a Fera - Síndrome de Estocolmo, será?

Quem me conhece sabe o quanto eu sou fã da Disney. Tudo o que envolve o universo Disney me encanta: os filmes, os personagens, as histórias, as princesas e toda a magia que costuma envolver tudo o que gira em torno desse mundo mágico. 

No próximo mês (provavelmente no dia 17/03) estréia o novo filme live action da Disney - A Bela e a Fera - que traz no elenco artistas como Emma Watson, Dan Stevens, Ewan McGregor, Ian McKellen, Emma Thompson e outros nomes de peso.

Hoje vim fazer um post reflexivo e cheio de esperanças!

Ao longo desse post vou deixar algumas imagens e vídeos oficiais do filme, como trailer, cartazes de divulgação e música tema, que na versão de 1991 era interpretada pela Celine Dion e Peabo Bryson e agora tem Ariana Grande e John Legend nos vocais. 

Devo confessar que em outros tempos a Bela já foi a minha princesa favorita da Disney, porém hoje em dia, com tantas princesas mais modernas, menos fragilizadas, menos submissas e com histórias muito mais emocionantes para contar, a Bela me fez repensar na sua história e perceber que na verdade ela chega a ser um tanto quanto assustadora e perigosa.

Estava eu aqui toda empolgada com o lançamento do filme e acabei fazendo uma reflexão sobre o conto: na realidade, Bela é sequestrada por um "monstro" e acaba se apaixonando por ele. 
Por mais "bem intencionada" que a Fera (príncipe Adam) estivesse em aprender como tratar melhor uma pessoa, e até fazer essa pessoa se apaixonar por ela para acabar com o feitiço da rosa, ela não poderia ter agido dessa forma, e a Bela jamais poderia ter se apaixonado por alguém que lhe aprisionou e tomou sua liberdade. E se a Bella no final não se apaixonasse por ele? O que a Fera faria? E se ela optasse pelo Gaston? Coitada da Bela, né gente! Talvez ficar solteira fosse a melhor opção! 

Óbvio que eu sei que muitas pessoas, inclusive eu mesma, justificam os acontecimentos por causa do "verdadeiro amor". Aquela velha história de que quando o amor é verdadeiro a gente perde o controle, faz loucura, a gente se joga no sentimento, mas vocês já pararam para pensar em como isso poderia ter sido perigoso para a Bela? Essa história poderia ter acabado mal.

Não quero ser aquela pessoa politicamente chata e nem vou deixar de assistir o filme por causa disso, aliás quero ser a primeira da fila, mas quero ir com a esperança de que a Disney tenha adaptado a história para um contexto mais atual. Um contexto onde nós, mulheres, estamos há tanto tempo lutando por nossos direitos, por nosso espaço, por nossa liberdade e não é uma fera, um homem, um ser qualquer que virá nos aprisionar, nem mesmo em nome do amor, não é mesmo? 

Por favorziho Disney, estou numa expectativa enorme que vocês tenham usado toda essa mágica, todo essa tecnologia linda, todos esses efeitos para ter dado um update na história e trazer uma Bela mais atual, mais segura, mais cheia de si. Que ela tenha pitadas de Mulan, de Merida, de Anna, de Elsa e de tantas outras mulheres que lutam pelos seus direitos!
Que a gente possa ter mais uma princesa para admirar e se inspirar! 

Tirando essa coisa meio Síndrome de Estocolmo, eu adoro a história e entendo que ela seja um conto de fadas. Estou louca para ver como eles colocaram tudo isso em live action. Amo a trilha sonora e principalmente a fofura dos criados da Fera, madame Samovar, seu filho Zip, Lumière, Plumette, Cogsworth e todos os outros personagens! 

Alguém vai me matar se eu disser que prefiro a música na voz de Celine? 

Gente, o post de hoje foi só uma reflexão que eu tive aqui e quis compartilhar com vocês, mas meu amor pela Disney continua o mesmo, ok?

Quem quiser opinar e deixar seu ponto de vista também pode, combinado? Quero saber o que vocês acham.
Ah, aproveita e me conta também qual a sua história favorita da Disney.

Bom final de semana. Beijos e até segunda-feira!

Compartilhe nas Redes Sociais